28 de novembro de 2020Informação, independência e credibilidade
Artigo

Em 24h, Bolsonaro usa suicídio contra vacina, chama brasileiros de maricas e ameaça guerra com os EUA

Presidente reclamou também que sua vida é uma desgraça. E ainda segue com apoio constante daqueles que acham seu governo ótimo, bom ou regular

O presidente Jair Bolsonaro já falou muita merda. Seja em sua longa vida pública, afinal foi eleito deputado em 1991, ou mesmo durante seu cargo na presidência, que parte apenas para o fim do segundo ano. Ainda assim, o dia 10 de novembro conseguiu se destacar para ser lembrando pela infâmia.

Reiterando: o presidente Jair Bolsonaro já falou muita merda. Dentre bizonhices, burradas ou piadas sem graça, não se engane, há ainda uma coleção de efemérides repleta de racismo, homofobia e outros discursos criminosos e hediondos.

O pior de tudo não é nem mesmo seu discurso. Já se sabe como Bolsonaro é. Nem mesmo seu entorno político e de funcionários. Com familiares e subordinados repletos de denúncias com provas consistentes de desvio de dinheiro público e envolvimento com milícia, já seria de se esperar que sua companhia diria quem ele é.

O problema são seus apoiadores. O problema é que mesmo diante de toda as merdas que ele faz e fala, todas as pesquisas indicam que aquela faixa de apoiadores, entre 25% e 35%, insistem em apoiar o presidente e seu governo.

E todos nós sabemos quem são essas pessoas. Todo mundo tem um vizinho, um amigo, um colega, um chefe ou um parente próximo, como um irmão, uma mãe ou um pai que concordam com esse discurso imbecil.

Uma coleção de pessoas se recusam a ouvir a voz da razão e se fecharam em suas bolhas de mentiras e conspirações. Pessoas que se dizem honestas, que se dizem patriotas, que se dizem de bem, mas que aceitam discursos indesculpáveis.

Quem já passou a mão para alguém que desejou fuzilar o presidente, guerra civil com 30 mil mortos, fechamento do Supremo e Congresso, mais todo tipo de ação retrógrada contra uma questão de saúde pública (algumas destas mais recentes que as outras), claro, não deve ter se abalado com o repertório de 10 de novembro:

  • Ele iniciou o dia celebrando o suicídio de um voluntário da Coronavac como uma vitória pessoal contra Dória:

  • Sabotador nessa pandemia, afirmou que há brasileiros que são “maricas” e que deveriam lidar com a morte sem medo:

  • Com a perda do aliado Trump, ameaçou Biden com um confronto armado pela Amazônia:

  • Reclamou que sua vida está uma desgraça e que não consegue sair nem pra comer um pastel:

Em 24h, Bolsonaro falou muita merda. Isso já sabemos, é recorrente e não deve mudar. O problema é a aceitação desse discurso. Passaram-se menos de dois anos de governo e muitos já pularam o barco, mas continua sendo revoltante o tanto de pessoas que ainda replicam esse discurso. É muita merda para o brasileiro aturar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.