9 de dezembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Economia

Indústria gera 18,8% do emprego formal em Alagoas, aponta pesquisa da CNI

Os principais setores da Indústria alagoana são o de Construção Civil (34,2%), Alimentos (23,5%), Serviços Industriais de Utilidade Pública (22,6%) e Químicos (7,6%).

Construção Civil responde por 34% da Indústria no Estado | Divulgação

Em comemoração ao Dia da Indústria (25 de Maio), a Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou, nesta segunda-feira (24), uma pesquisa com as principais características do setor industrial nos 26 estados e no Distrito Federal.

Os dados são referentes a 2018, os últimos disponíveis no Sistema de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o levantamento, em Alagoas, a Indústria é responsável por 12% do Produto Interno Bruto (PIB), o que representa 0,4% do PIB Industrial do Brasil e 3,5% do PIB Industrial da região Nordeste.

Os principais setores da Indústria alagoana são o de Construção Civil (34,2%), Alimentos (23,5%), Serviços Industriais de Utilidade Pública (22,6%) e Químicos (7,6%). Alagoas conta com 3.210 estabelecimentos industriais, que empregam 92.723 pessoas, o equivalente a 18,8% do emprego formal no Estado e a 6,4% no âmbito do Nordeste. Em relação aos salários, a Indústria do Estado paga um salário médio de R$ 1.803,00, enquanto a média nacional é de R$ 2.792,00.

Na avaliação do presidente da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (Fiea), empresário José Carlos Lyra de Andrade, a data simboliza “a importância do setor para o desenvolvimento e riqueza para o país, geração de emprego e bem-estar social”. Ele destaca que Alagoas, ao longo dos anos, vem se esforçando para diversificar o parque industrial e que as entidades – Fiea, Sesi, Senai e IEL –, em parceria com a sociedade e o poder público, atuam para promover esse desenvolvimento.

Indústria nacional

De acordo com o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, apesar de todas as oportunidades desperdiçadas pelo Brasil ao longo dos anos, o País continua dispondo de uma boa base industrial. “Temos uma estrutura industrial diversificada, com empresas inovadoras, competência acumulada na área de ciência e tecnologia, e empresários e trabalhadores que sempre foram capazes de realizar grandes feitos quando confrontados com ambientes propícios e políticas adequadas”, afirma.

No âmbito nacional, de acordo com a pesquisa, os salários mais altos são pagos pela Indústria: R$ 7.556 para profissionais com nível superior, contra uma média nacional de R$ 5.887. Além disso, o setor tem forte poder de gerar crescimento. Para cada R$ 1 produzido pelo setor, são gerados R$ 2,43 adicionais na economia. Esse mesmo R$ 1 aplicado na agricultura rende R$ 1,75 e, no setor de serviços R$ 1,49.

Robson Braga (CNI) e José Carlos Lyra (Fiea) destacam importância da Indústria para o desenvolvimento | Divulgação

Dia Nacional da Indústria

O Dia Nacional da Indústria foi escolhido em homenagem ao patrono da indústria nacional, Roberto Simonsen, que faleceu em 25 de maio de 1948. Simonsen foi engenheiro industrial, administrador, professor, historiador e político, além de membro da Academia Brasileira de Letras (ABL). Ainda foi presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP).