19 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Expresso

Procurador do “miserê” diz ser vítima de “linchamento moral”

Apesar do miserê de R$ 24 mil por mês, Azeredo dos Santos custou pelo menos R$ 4 milhões ao contribuinte nos últimos cinco anos

Coitado, além do “baixo salário”, agora vítima das próprias palavras e maneira de pensar: Leonardo Azeredo dos Santos, procurador de Justiça de Minas Gerais, que ficou infame após ser flagrado, em tom de revolta, pelo “miserê” de R$ 24 mil que recebe de salário. Diz que está sofrendo um “linchamento moral” e ainda afirma que em nenhum momento quis comparar sua realidade com a de outros brasileiros.

“Comparei, e os números não mentem, a situação atual de nossa classe que, com o término do pagamento de verbas em atraso, passará por uma significativa supressão remuneratória”, disse ele em nota. Apesar do miserê de R$ 24 mil por mês, Azeredo dos Santos custou pelo menos R$ 4 milhões ao contribuinte nos últimos cinco anos: ele recebe auxílio-alimentação, saúde e outros penduricalhos.