29 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Bolsonaro, chorão, chato e mentiroso, ataca de novo STF, vacinas, urnas, democracia…

Em evento oficial, presidente mais uma vez soltou o verbo contra adversários e ameaçou democracia brasileira falando em “guerra pela liberdade”

Em evento oficial nesta quarta (23), durante lançamento da Carteira de Identidade Nacional, o presidente Jair Bolsonaro mais uma vez mostrou seu descontrole e atacou adversários políticos e a democracia brasileira.

De forma surtada, o presidente atirou para todos os lados. Para o delírio de seu eleitorado, responsável por colocar atualmente nasegunda colocação das pesquisas eleitorais deste ano.

Por coincidência ou não“, o presidente Jair Bolsonaro voltou do encontro com Vladmir Putin querendo guerra. Claro, não é nenhuma coincidência: assim como ele não trouxe paz ao mundo, segue não dando paz pro brasileiro.

Leia mais: Próxima morte a ser comemorada é a do bolsonarismo

Jair, o homem que gastou R$ 900 mil do bolso da população em férias, que foram interrompidas com ele chorando por um camarão mal comido (e não por causa de enchentes na Bahia), chorou mais uma vez com as batalhas que tenta inflamar para o gado.

Apesar de estar com o microfone e sendo o único falando, Bolsonaro gritou enquanto, de forma chata e/ou mentirosa, sobre os seguintes tópicos:

  • ser “inadmissível o cidadão ser ameaçado ou preso” por expressar opiniões (e isso inclui a defesa de deputados presos por ameaçar fisicamente ministros);
  • sem “relativizar a nossa liberdade”, Jair fala em “não perder essa guerra” (a guerra dele, vale lembrar, é a defesa pelos pensamentos ofensivos, preconceituosos e antidemocráticos);
  • ser “inadmissível” o estado se intrometer nas relações entre pais e filhos (de forma absurda, além de dizer não ter se vacinado, fala que sua filha seguirá livre de agulhas e que o filho dos outros vão ter que aturar crianças não vacinadas em aula)
  • culpou prefeitos e governadores por fazerem lockdown e fazerem o país perder R$ 1,4 trilhão durante pandemia (o país nunca teve lockdown, de todas as formas ele atrapalhou medidas de contenção do vírus e não se sabe de que buraco ele tirou esse valor);
  • falou em corrupção de R$ 500 milhões no BNDES (isso apesar dele gastar uma fortuna com uma caixa-preta que não deu em absolutamente nada)
  • surpresa, criticou a lisura das urnas eletrônicas (apesar de correr pra Temer pedir desculpas em seu nome e jurar para o Congresso que o assunto estaria morto e enterrado… com um claro medo de perder democraticamente).

Resumindo: nada de novo, com o presidente jogando pro seu gado e sendo extremamente chorão.

Chorão e chato.

Chorão, chato e mentiroso.

Mas não deixa de ser perigoso, afinal, ainda é o presidente agindo dessa maneira e falando absurdos como esses.