15 de agosto de 2022Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Indígenas fecham a BR 423 em Canapi e pedem saída imediata de presidente da FUNAI.

Marcelo Xavier culpou Dom Phillips e Bruno Pereira pelas próprias mortes ao declarar que alguns indivíduos sabem do risco mas “insistem em ir lá”

Foto: Cortesia

Indígenas do Sertão de Alagoas fecham a BR 423, no trecho de Canapi, em manifestação pela saída imediata de Marcelo Xavier da presidência da FUNAI.

O grupo formado por mais de 80 indigenas reivindicando também a saída do Coordenador da FUNAI em Delmiro Gouveia, assim como a presença da imprensa e do MPF no local.

Marcelo Xavier

Marcelo Xavier, presidente da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) desde 2019, foi acusado de ser responsável pelo assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips e acabou sendo expulso de um evento em Madri.

A situação ocorreu no evento do Fundo de Desenvolvimento dos Povos Indígenas, localizado em Madri, Espanha. Ele foi expulso por Ricardo Rao, indigenista brasileiro que obrigou Marcelo a sair do local aos gritos de “assassino” e “miliciano”.

Leia mais: PF tem mais 5 suspeitos de participação na morte Dom e Bruno Pereira

Vale lembrar que época o presidente da FUNAI culpou a dupla ao declarar que alguns indivíduos sabem do risco mas “insistem em ir lá”.

Após a descoberta dos corpos de Dom Phillips e Bruno Pereira, servidores da FUNAI pediram pela exoneração de Marcelo Xavier do cargo, mas não foram atendidos pelo Governo Federal.

Xavier é um delegado da Polícia Federal que foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro e já se mostrou a favor da exploração dos minérios nas terras indígenas e possui proximidade com parlamentares da bancada dos ruralistas e da bancada da bala. Xavier, inclusive, foi contra grupos de povos indígenas quando era ouvidor da Fundação.

Leia mais: Paulão diz que Bolsonaro banaliza a violência, o crime e a morte na Amazônia

Em 2021 durante a Comissão de Direitos Humanos, deputados desses grupos fizeram diversos elogios para o líder da FUNAI. O deputado da bancada ruralista, Nelson Barbudo (PL-MT), considerou Marcelo que “um bravo guerreiro da PF. Um defensor do homem livre para plantar, livre para viver, livre para escolher seu caminho. E que deve ser lembrado como o homem que livrou os índios da esquerda”.

O indigenista que realizou o ataque a Marcelo Xavier diz ter saído do Brasil após sofrer ameaças de morte quando trabalhava na FUNAI.

Foto: Lenilda Luna