25 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Jó Pereira fala em entrevista sobre a eleição indireta na ALE e majoritária de outubro

Deputada refutou o discurso de que Alagoas está sendo prejudicada com o adiamento da eleição

Eleições diretas e indiretas para o governo de Alagoas; pré-candidatura na chapa majoritária e ingresso no PSDB foram alguns dos assuntos abordados pela deputada estadual Jó Pereira, em entrevista concedida nesta quarta-feira (11) para as jornalistas Liara Nogueira e Thaíse Cavalcante, na Rádio Nova Brasil.

A deputada iniciou a conversa ressaltando a importância de explicar à população que, atipicamente, este ano Alagoas terá duas eleições para o governo.

Uma delas indireta, para governador tampão, que vai acontecer dentro da Assembleia Legislativa e só terá os 27 deputados como eleitores. E a outra, direta, com ampla participação popular, em outubro, quando o povo terá a oportunidade de escolher o governador de Alagoas para os próximos quatro anos.

“Sempre defendi e acredito que não podemos perder a oportunidade de debater um projeto de Alagoas, um projeto que propõe para Alagoas uma virada de chave, uma mudança importante, transformando a vida das pessoas, fazendo a diferença, ajudando, colaborando, com o Estado apoiando o alagoano e a alagoana a enfrentar os seus maiores desafios. Essa é uma eleição que as pessoas precisam estar atentas. Vamos decidir o futuro de Alagoas, o futuro do Brasil”;

Jó declarou que está tendo a felicidade de participar da eleição de outubro, na qual as pessoas terão a oportunidade de escolher, e de estar caminhando ao lado do senador Rodrigo Cunha (UB) na pré-candidatura ao governo, compondo a chapa que tem ele como pré-candidato a governador e ela, a vice-governadora.

Citando o grupo político amplo do qual o senador faz parte, a parlamentar lembrou que também integram a aliança, o prefeito da capital, JHC, “que vem fazendo uma gestão voltada para as pessoas, olhando Maceió como uma cidade ampla, diversa”; o ex-governador Ronaldo Lessa; o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira; entre outras lideranças políticas.

Leia mais: Lira e Renan trocam acusações enquanto eleição tampão de AL vai ao pleno do STF

Eleição indireta

Questionada sobre a eleição indireta na ALE, a deputada estadual voltou a destacar a necessidade que o pleito seja realizado dentro das regras legais, e refutou o discurso de que Alagoas está sendo prejudicada com o adiamento da eleição.

“Alagoas não vem sendo prejudicada pela não ocorrência da eleição indireta, que precisa acontecer, claro, e a improdutividade do Poder Legislativo em não estar realizando as sessões ordinárias na Casa não é decorrência da não realização da eleição indireta, é decorrência de um boicote de vários deputados em não estarem nas sessões para que elas aconteçam”.

Para Jó, a sessão – marcada para sexta-feira (13) – do Pleno do STF que irá decidir sobre as regras do pleito, não impede o andamento do Legislativo, não impede o andamento do Judiciário e não impede o andamento do Executivo, até que as regras sejam esclarecidas e a eleição aconteça com a maior transparência possível.

“O desembargador Klever Loureiro, presidente do Tribunal de Justiça, tem legitimidade para estar no cargo de governador, porque a sucessão está prevista constitucionalmente até a vacância e ele vem fazendo um papel importante de imparcialidade, de tocar o estado. Não existe um caos, Alagoas tem um governador em exercício, que cumpre com a sua missão até a realização da eleição indireta dentro das regras constitucionalmente previstas”.

Ainda assim, a parlamentar opinou que a regra constitucional da vacância do cargo de governador e de vice-governador só deve acontecer em casos de fatalidades e impossibilidades, sob pena de estarmos usando essa exceção como regra.