19 de outubro de 2020Informação, independência e credibilidade
Mundo

México vai, aos poucos, proibindo fast-food e refrigerante para menores de idade

Mais estados seguem o exemplo de Oaxaca e promovem a proibição, para diminuir o número de obesos, hipertensos e diabéticos

Depois que o estado de Oaxaca proibiu a venda de junk food e bebidas açucaradas para menores em 5 de agosto, pelo menos outros 10 estados e a Cidade do México manifestaram interesse em seguir o processo.

Quem fornecer junk food, alimentos “porcaria”, com alto teor calórico, mas com níveis reduzidos de nutrientes”, ou refrigerantes para menores de 18 anos, pode ser multado ou até mesmo preso.

A punição não vale para os pais das crianças, mas agora, no México, estes alimentos entram na mesma categoria de álcool e cigarros, ao menos no estado de Oaxaca.

Entretanto, um dia depois da aprovação da lei, o governador de Tabasco, Adán Augusto López, afirmou que apresentaria iniciativa semelhante.

Em Colima, o partido Morena apresentou um projeto de lei no Congresso que proíbe não apenas a venda de alimentos ricos em gordura, sódio ou açúcar para crianças, mas também a publicidade desses produtos nas escolas. 

Em 10 de agosto, Chihuahua embarcou com uma iniciativa apresentada ao Congresso pelo deputado René Frías Bencomo, ex-professor da Nova Aliança.

A prefeita da Cidade do México, Claudia Sheinbaum, confirmou que uma proposta semelhante à aprovada em Oaxaca está sendo considerada para a capital do país, onde seis em cada 10 crianças têm sobrepeso ou são obesas.

A Comissão de Saúde do Congresso de Nuevo León e membros do partido Morena estão trabalhando em uma série de iniciativas separadas para lidar com junk food, que alteraria a lei estadual de saúde, uma lei sobre os direitos da criança e a lei para prevenir a obesidade. 

“É mais caro para o estado investir em hospitais e medicamentos do que em prevenção. Não estamos dizendo que os produtos vão acabar, ninguém diz isso, mas sim que os menores não consomem esses produtos, e eles não estão facilmente ao seu alcance.” Luis Armando Torres, deputado mexicano.

A comissão de saúde também está tentando limitar a publicidade de junk food. Os legisladores federais de quatro partidos políticos diferentes planejaram propor hoje uma proibição nacional da venda e comercialização destes alimentos para crianças.

3 Comments

  • Avatar rodrigo

    Isso, bando de retardados. Peçam mais tutela do Estado, mais controle das suas vidas por burocratas filhos da puta, pq eles querem seu bem mesmo.

    Bando de dementes.

  • E a ditadura segue firme e forte nos governos esquerdistas.
    Até o que você come tem que passar por aprovação.
    Absurdo!
    É assim que começa…

  • Avatar MICHELE DE SOUZA LIMA

    Ótima iniciativa, o México está de parabéns, salvem nossas crianças desses venenos em forma de comida!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.