29 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Farra de Bolsonaro na praia custou R$ 1,8 milhão do bolso dos brasileiros

Viagem foi encurtada depois de Jair comer camarão sem mastigar e ser internado aos prantos achando que ia morrer

Aquelas duas viagens de Jair Bolsonaro, no litoral de São Paulo e de Santa Catarina no final do ano passado e começo de 2022, custaram no mínimo 1,8 milhão de reais aos cofres públicos.

Os números são do Gabinete Pessoal do Presidente, obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

Foram mais de 13 dias de farra, passeando de jet-ski, ouvindo funk, passeando no Beto Carreiro e evitando ao máximo as enchentes que afetaram mais de 2/3 dos municípios da Bahia. Isso tudo um mês antes de aparecer comendo farofa como um deficiente físico.

Os dias de farra de Jair só acabaram depois do presidente comer camarão sem mastigar direito e sofrer uma constipação. Achando que ia morrer, ele chorou ao relatar seu desespero ao médico pessoal, Antônio Luiz Macedo.

E o homem que critica “mimimi” e frescura dos brasileiros diante das mortes na pandemia, precisava apenas descansar e de uma nova dieta para minimizar os gases.

Vale lembrar: o intestino preso de Jair custou mais uma fortuna por fora: Macedo estava de férias nas Bahamas e voltou às pressas, em voo fretado em aeronave da FAB. Uma logística que pode ter custado quase R$ 700 mil e segue sem ser explicada.

Leia mais: Bolsonaro diz ser maldoso falar que ele teve férias: ‘dou minhas fugidas de jet ski’

Detalhes da farra

De certeza é que entre 17 e 23 de dezembro de 2021 Bolsonaro esteve no Guarujá, no litoral paulista, onde se hospedou no Forte dos Andradas, uma instalação militar administrada pelo Exército. Nesse período, as despesas somaram exatos 915.571,72 reais.

O Palácio do Planalto não detalha os gastos alegando riscos à segurança do presidente. Por lá, ele pescou, jantou em uma pizzaria, andou de jet-ski e, a bordo de uma lancha, dançou funk com apoiadores.

A outra viagem foi em São Francisco do Sul, em Santa Catarina, onde ficou de 27 de dezembro de 2021 até 3 de janeiro deste ano, quando precisou ser levado às pressas para um hospital de São Paulo. O período no litoral catarinense custou precisamente 899.374,60 reais ao erário.

Nessa viagem, Bolsonaro estava acompanhado da primeira-dama Michelle Bolsonaro e da filha do casal, Laura. Em São Francisco do Sul, assim como no Guarujá, o presidente também passeou de jet-ski, visitou o parque de diversões Beto Carrero World e promoveu uma loja da rede Havan, do empresário Luciano Hang, um de seus principais apoiadores.

Carnaval

Semanas depois desssas viagens, durante a invasão da Rússia na Ucrânia, Jair se manteve o “mais neutro possível” e emendou a visita ao líder Putin com mais uma farra: mais de uma semana de folga de Carnaval, novamente no Guarujá.

Ele, que se empenhou por uma reforma trabalhista que fez o brasileiro trabalhar mais horas por semana, segue gozando à custa do povo. Trabalhando apenas 3h por dias, suas férias vez ou outra motivam a #BolsonaroVagabundo no Twitter.

One Comment

  • Avatar Heitor Rodrigues

    “Isso tudo um mês antes de aparecer comendo farofa como um deficiente físico.” Vocês não tem VERGONHA de escrever uma coisa dessa não? Eu também acho o Bolsonaro um imbecil completo, mas presta atenção gente! Olha o TAMANHO do desrespeito com as pessoas que tem deficiência. Onde eu mando um email pra diretoria desse portal?

Comments are closed.